Banner Página Inicial

Divulgação

  • RWEP
  • Divulgação3
  • AgresteLogo

Sobre rebanhos conformados

Escrito por master.

Salahttp://www.suplementopernambuco.com.br/

Leis que punem professores caso eles emitam opinião em sala de aula, deputados legislando sobre o debate de gênero nas escolas, estudantes de Direito da UFMG proibidos por juíza de debaterem a situação política no país. As instituições de ensino no Brasil estão em alerta e o Ministério da Educação (MEC) divulgou nessa sexta, 6 de maio, um texto em que vem "a público manifestar nossa indignação frente a recentes iniciativas de setores da sociedade que buscam cercear os princípios e fins da educação nacional, mais especificamente acerca de documentos autodenominados 'notificações extrajudiciais contra o ensino de ‘ideologia de gênero’ nas escolas'". Também recente foram as denúncias de "casos de cerceamento de professores de sociologia no ensino médio em alguns estados brasileiros", e diante delas a Sociedade Brasileira de Sociologia emitiu uma nota de repúdio em que deixa claro que a perspectiva crítica em relação ao repertório intelectual desses professores "não deve ser evitada; ao contrário, será estimulada". Em conversa com a professora de sociologia Maria Eduarda Mota Rocha, da Universidade Federal de Pernambuco, questionamos sobre as implicações das medidas de coibição em sala de aula para o presente e o futuro do pensamento crítico no Brasil.

Ensino pago, ensino público: o que está em jogo?

Escrito por master.

EnsinoPor Sylvia Debossan Moretzsohn

http://www.suplementopernambuco.com.br/

A pressão pela adoção do ensino pago nas universidades públicas é tão velha quanto o argumento que a sustenta: estaríamos diante de uma profunda injustiça, tendo em vista que esse sistema beneficiaria os mais ricos, mais bem formados – oriundos em geral de escolas privadas –, enquanto aos pobres restaria arcar com o ônus das mensalidades em instituições particulares, muitas delas de baixo nível.

No dia 24 de julho o jornal O Globo voltou à carga, num editorial que tentava atualizar o tema a partir de considerações sobre o que classificava como “a maior crise fiscal de que se tem notícia na história republicana do país”. Arroubos superlativos de diagnósticos catastróficos devem ser sempre postos em dúvida, sobretudo considerando de onde partem. Mas, a rigor, o editorial não deveria ser tomado a sério, pelos erros e omissões que exibe, além do indisfarçável cinismo: O Globo, quem diria, defende os mais pobres...

Caminhar, um meio de desobedecer?

Escrito por master.

CaminharAssistente de Michel Foucault lança obra sobre papel dos longos passeios a pé, na desconstrução das rotinas que nos submetem e alienam. Para ele, ato recupera hábito cultivado por Kant, Nietzche e Rousseau
 
Por Leticia Blanco, no São Paulo São // http://outraspalavras.net/

Especialista em psiquiatria, filosofia penal e editor dos últimos cursos de Michel Foucault no Collège de France, Frederic Gros escreveu um tratado sobre o caminhar que conecta as idéias de pensadores como Kant, Thoreau, Nietzsche e Rousseau com suas caminhadas. Uma reivindicação ao prazer de passear.

Kant, Rousseau, Nietzsche e Rimbaud gostavam de caminhar. E eles o faziam de formas diferentes. As caminhadas do jovem Rimbaud, dispersas e desorganizadas, estavam cheias de raiva, enquanto Nietzsche procurava nelas o tom e a energia da marcha. Kant era metódico e sistemático: o fazia todo dia, à mesma hora, na mesma rota. Todos acabaram mudando seus escritórios de trabalho para o campo, onde as idéias fluíam mais livremente e em plena natureza. Analisando de perto, estas caminhadas guardam alguns paralelos com seus pensamentos, diz o filósofo francês (e grande caminhador ) Frederic Gros no livro ‘Andar. Uma filosofia’.

Segurança alimentar - A terceirização da comida

Escrito por master.

Comidahttp://www.diplomatique.org.br/

A alimentação escolar é um direito constitucional dos estudantes e uma obrigação do poder público. Delegar essa tarefa a empresas terceirizadas de refeições coletivas revela a falta de compromisso do Estado com a educação pública de qualidade e a promoção da segurança alimentar e nutricional

por Fórum Brasileiro de Segurança Alimentar e Nutricio

No Brasil, toda criança e adolescente que cursa o ensino fundamental em escolas públicas têm direito a receber alimentação no período em que fica na escola. Esse direito está previsto na Constituição Federal, no capítulo da “Ordem Social” Art. 208 inciso VII1. Essa obrigação do Estado é cumprida por meio de uma política pública que conhecemos como o Programa Nacional de Alimentação Escolar (PNAE), sob a responsabilidade do Fundo Nacional do Desenvolvimento da Educação (FNDE), órgão do Ministério da Educação. É com base nesse ordenamento jurídico que se desenvolve o PNAE, uma das mais antigas políticas públicas de segurança alimentar e nutricional do país, que nasceu sob a inspiração de Josué de Castro, com o nome de Campanha Nacional de Merenda Escolar, lá pelos idos de 1954.

Ensino Médio e técnico profissional: disputa de concepções e precariedade

Escrito por master.

GFComo nos últimos cinquenta anos avançamos de forma pífia no aumento quantitativo e na qualidade dos jovens que cursam o ensino médio na idade adequada, e as políticas de formação profissional para a grande massa de jovens e adultos estão na lógica da improvisação, da precarização e do adestramento

por Gaudêncio Frigotto // http://www.diplomatique.org.br/

Um dos contrastes que se reitera historicamente em nossa sociedade é a absurda concentração de renda e propriedade na mão de uma minoria e, como consequência, uma grande massa de pobres ou miseráveis.

Como a escola e os processos formativos não são apêndices da sociedade, mas parte constituída e constituinte dela, a desigualdade social se reflete na desigualdade educacional. O estigma colonizador e escravocrata da classe dominante brasileira produziu uma burguesia que não completou, em termos clássicos, a revolução burguesa e, como tal, não é nacionalista, mas associada ao grande capital.