Banner Página Inicial

Divulgação

  • Divulgação3
  • Divulgação
  • Divulgação2

Como nos tempos do declínio de Roma

Escrito por master.

Roma

Potências ocidentais destroem nações e estabelecem apenas o caos. Parasitismo financeiro e desigualdade inédita sufocam economia global. Vem aí um grande retrocesso civilizatório?

Jorge Beinstein, entrevistado por Arnaldo Perez Guerra Tradução:Marisa Choguill | Imagem: Mosaico em Pompeia (detalhe) - http://outraspalavras.net/

Renomado economista marxista, especialista em previsão da economia global, Jorge Beinstein é doutor em Ciências Econômicas pela Universidade de Franche Comté-Besançon, França, e, atualmente, Professor Emérito da Universidad Nacional de La Plata, Argentina, de onde dirige o Centro Internacional de Informações Estratégicas e Estudos Prospectivos (CIIEP). Tem lecionado em importantes universidades na Europa e na América Latina, onde também dirigiu relevantes projetos de pesquisa. Seus livros mais recentes incluem: Comunismo o Nada, La Ilusión del Metacontrol Imperial del Caos: La Mutación del Sistema Militar de los EUA, Capitalismo del Siglo XXI, e Crónica de la Decadencia: Economía Global 1999-2009Seus trabalhos podem ser lidos no site beinstein.lahaine.org.

Roma2

O que acontece na Argentina, após a chegada de Macri no governo, e como você caracteriza suas decisões?

Significou uma virada violenta para a extrema-direita do arco político argentino. Em poucos dias, fizeram-se transferências de renda para as elites econômicas que por sua magnitude e velocidade são sem precedentes na história econômica da Argentina. Isso está causado uma forte contração do mercado interno e, portanto, a chegada da recessão. O FMI previu no início do ano uma queda real do Produto Interno Bruto em 2016 na ordem de 1%, apesar de, vendo o que já acontecia no primeiro trimestre, pode-se falar de queda superior a 3%, muito além do que o governo anuncia para o futuro a partir de cifras manipuladas. Desde a chegada de Macri, houve um apagão estatístico. Cifras oficiais de desemprego, inflação e outros indicadores não mais existem. Não excluo a possibilidade de um tipo de hiper-recessão se o governo não conseguir controlar a dinâmica depressiva que gerou.

Entre os especialistas, discutiu-se nos primeiros meses o que era realmente o modelo econômico macrista. As decisões econômicas têm sido tão selvagens, as contradições tão evidentes, o desastre tão grande que não podemos pensar que temos um plano estratégico coerente, apontando para uma reestruturação capitalista de longo prazo, embora oligárquica, mas sim que enfrentamos um saque onde cada grupo dominante leva sua fatia sem se importar com o que vai acontecer no futuro. Nós marchamos para uma crise de governança, impulsionada por forças entrópicas que se desencadearam com o colapso do kirchnerismo. As classes dominantes argentinas operam como uma espécie de lumpenburguesia, de burguesia predatória altamente destrutiva. O fenômeno é parte de um processo global do mesmo tipo.

Vamos falar da “lumpenburguesia global dominante”…

Teríamos que voltar à década de 70 quando, a partir da estagflação, a recuperação ocorreu com taxas de crescimento econômico global declinantes. Essa tendência de longo prazo foi acompanhada por uma expansão dos negócios financeiros que acabou financeirizar o sistema mundial de tal forma que, desde 2008, a massa financeira mundo representa cerca de vinte vezes o Produto Bruto Global (PBG). Somente os derivados financeiros ascenderam a cerca de 11 vezes o PBG. O fenômeno é parte de um processo mais amplo de ascensão do parasitismo como componente hegemônico do sistema capitalista mundial que, claro, também inclui a hipertrofia militar, a narco-economia, o consumo conspícuo das elites globais, sua plataforma produtivo-comunicacional, etc. É um fenômeno originado quase meio século atrás mas que, no século 21, se manifesta como uma mutação integral do sistema, como a transformação de seu núcleo central dominante em uma casta parasita. Neste sentido, é possível estabelecer paralelos com outros declínios civilizatórios como por exemplo o do Império Romano, a fase superior e final da chamada civilização greco-romana.

A lumpenburguesia – hoje dominante globalmente e tendo como centro o império estadunidense –, ou seja, uma burguesia degenerada, parasitária, marca um salto qualitativo na trajetória universal do capitalismo, bem como a aristocracia militar-consumista durante a decadência imperial foi resultado da mutação terminal de Roma.

Você aponta para uma crise da financeirização da economia mundial e para o fato de que o imperialismo apresenta como último recurso a ” Guerra de Quarta Geração”: destruir as sociedades periféricas para convertê-las em áreas de saque. Você pode explicar isso e expandir a sua visão?

A crise de 2008 marcou o fim da expansão acelerada da trama global financeira – era um tipo de droga que permitiu o endividamento de Estados, empresas e consumidores do capitalismo central; mas, esse ciclo de endividamento impune atingiu o limite, o estouro da mega-bolha imobiliária foi o ponto de virada do sistema. Então, os Estados imperialistas fizeram enormes transferências de fundos para os grupos financeiros evitando, com sucesso, seu colapso. Mas, isso não foi mais do que um remendo, não a superação da crise.

Em 2001, por exemplo, os negócios com produtos financeiros derivados, a espinha dorsal da rede global especulativa, acumularam uns 95 trilhões de dólares, equivalente a 2,8 vezes o PBG. Em 2005, chegaram a aproximadamente 280 trilhões (cerca de 6 vezes o PBG). E, em meados de 2008, pouco antes da crise, atingiram aproximadamente 680 trilhões (11 vezes o PBG). Foi um crescimento exponencial; mas, a partir desse momento, essa massa especulativa deixou de se expandir, tornou-se instável, e desde 2014 começou a desinflar rapidamente. Entre o final de dezembro de 2013 e o final de dezembro de 2015, a contração foi da ordem de 30%. Em 24 meses, desvaneceram-se cerca de 220 trilhões de dolares, equivalente a quase três vezes o PBG!

Até a crise de 2008, a expansão financeira operou como uma espécie de impulsor inflacionário da economia mundial. Mas, a partir de 2014, a contração financeira funciona como um motor deflacionário que empurra para baixo a economia. Dito de outra forma: numa primeira fase, desenrolou-se um círculo aparentemente virtuoso (na verdade, perverso), onde o aumento das dívidas e os ganhos especulativos inflaram o consumo dos países ricos, seus gastos estatais (especialmente os gastos militares), suas inovações tecnológicas, suas atividades produtivas, o que por sua vez alimentou a especulação financeira. Mas, o funcionamento de tal mecanismo produziu finalmente um círculo vicioso depressivo onde a sobrecarga financeira comprime a economia que, por sua vez, prejudica e desinfla a especulação. Estamos perante o declínio turbulento de um ciclo parasita, a mais grave crise da história do capitalismo.

Se olharmos para o que aconteceu com outras civilizações, volto ao caso romano, verificaremos que, quando a perda da dinâmica atinge um determinado ponto, a elite governante tenta aproveitar ao máximo seu último recurso: a força militar. Em nossa civilização burguesa, o Império – EUA e seus aliados vassalos ocidentais – tenta saquear o resto do mundo para adiar sua queda. O objetivo é apoderar-se e esgotar os recursos naturais da periferia, marginalizar completamente seus habitantes ou super-explorá-los, conforme o caso. Trata-se de um megaprojeto estratégico tendente a reduzir drasticamente seus custos periféricos (mão de obra, insumos agrícolas e de mineração, etc.). Líbia, Iraque, Ucrânia, Afeganistão e Síria… nos mostrem o Império destruindo sociedades mas sem ser capaz de substituir o que foi destruído por uma nova ordem colonial,. O que se instala é o caos porque o que emerge não é uma nova divisão internacional do trabalho mas, sim, a decadência global. A crise do Império enfatizou sua loucura belicista que, por sua vez, agrava a crise.

Os “progressismos” da América Latina parecem desgastados. Qual a sua opinião sobre o que está acontecendo em Honduras, Paraguai, Bolívia, Equador e Venezuela, a queda do kirchnerismo, as negociações para a paz na Colômbia, e “normalização” das relações diplomáticas entre Cuba e os Estados Unidos?

Os progressismos latino-americanos – desde suas versões mais conservadoras como a Frente Ampla do Uruguai até a mais radical como a da Venezuela – tentaram reformar o sistema capitalista existente, em alguns casos para humanizá-lo, melhorá-lo socialmente, e em outros para superá-lo gradualmente –, não deram origem a revoluções senão a reformas mais ou menos audazes. Essas experiências puderam se aproveitar da melhora efêmera do comércio internacional de matérias-primas, combinando-as quase sempre com a expansão dos mercados internos, especialmente a expansão do consumo popular. Eles também aproveitaram o retrocesso geopolítico do Império para construir políticas relativamente autônomas. Mas, isso se foi esgotando com o aprofundamento da crise global de 2008 e especialmente desde 2014, quando os preços das matérias primas caíram, àqual foi adicionada uma ofensiva muito forte dos EUA, retomando seu quintal latino-americano. Isso começou desde a chegada de Obama à Casa Branca com a implantação de uma complexa e flexível gama de intervenções, de ‘choques suaves’ como no Brasil, Honduras, Paraguai e Argentina, até ações desestabilizadoras como ocorre na Venezuela, passando pelo ‘abraço de urso’ em Cuba e seguindo o plano de desarmamento da guerrilha colombiana. Neste último caso, os EUA tentam alcançar a rendição negociada da insurgência através de uma sofisticada trama envolvente de pressões diretas e indiretas, armadilhas sedutoras e golpes baixos. É um jogo típico da chamada Guerra de Quarta Geração destinada a submeter a insurgência a dinâmica aparentemente de assimilação ao sistema, mas, na verdade, de destruição, começando pelos seus fundamentos ideológicos revolucionários até sua extinção estrutural.

Em sua ofensiva contra o progressismo, os EUA contam com a colaboração das burguesias latino americanas plenamente transnacionalizadas. Lumpenburguesias periféricas arrastando segmentos importantes das camadas médias.

As classes médias latino-americanas estão se tornando de direita? Neo-fascismo? Contra-revolução? O que tem contribuído para que esse fenômeno ocorra?

O que países como Brasil, Argentina, Bolívia e Venezuela mostram, em sua primeira fase próspera, é que a prosperidade e a governança do sistema não só ressuscitou a voracidade das elites locais, mas também ‘aburguesou’ as camadas médias ascendentes, ajudou sua integração ideológica com a camada logo acima, predatória, lumpenburguesa do capitalismo, buscando ao mesmo tempo diferenciar-se das classes mais baixas, também ascendentes. A mídia [meios de comunicação] concentrada desempenhou um papel decisivo nesse processo injetando ódio social em um espaço fértil para isso, associando a justiça social com consumo, democratização do poder político com corrupção, etc. Este surto de irracionalidade pequeno-burguesa é parte de um fenômeno mais amplo, global de fascistização, que abrange a Europa e inclui fenômenos tais como do chamado “Estado Islâmico” no Oriente Médio. Os neofascismos centrais e periféricos aparecem como respostas reacionárias à crise, às vezes produzindo contrarrevoluções – não porque tenha havidotentativas revolucionárias reais; mas, precisamente, por causa da ausência de revoluções antissistema capazes de superar a degradação capitalista.

Enfim, a instalação de regimes reacionários não significa o início de uma nova governança de tipo colonial e elitista, mas a instalação de mecanismos de saque que aprofundam a crise. É o que vemos em casos como os da Argentina, Brasil e Paraguai e no que poderia vir a ser uma vitória neofascista na Venezuela.

Os EUA irão atacar os BRICS?

Evidentemente que sim, e acabam de obter seu primeiro sucesso no Brasil. Mas, sua mega-estratégia global aponta contra a China e a Rússia. Ambas as potências formaram uma parceria estratégica de longo alcance que está deslocando os EUA da Ásia, estabelecendo pontes importantes com a África e a América Latina. A intervenção da OTAN na Líbia e no resto da África, bem como a ofensiva imperialista na América Latina pretendem, entre outras coisas, frear a crescente influência da China e da Rússia. O problema do Império é que ele não tem o que oferecer em troca do mercado chinês para países como Brasil ou Argentina; oferece apenas promessas de “investimentos” enquanto realiza ou procura realizar saques.

Os EUA estão tentando apoderar-se das reservas mundiais de petróleo e de gás do Afeganistão, Iraque, Síria, Líbia, Ucrânia, Iêmen… e Venezuela?

Um dos temas-chave da disputa geopolítica da Eurásia é o da guerra energética onde as reservas de petróleo e gás ocupam uma posição central; o controle dessas reservas mas também de seu transporte: gasodutos e oleodutos, canais, estreitos e outras posições estratégicas. Por exemplo, na Ásia e especialmente na área do Golfo Pérsico e da bacia do mar Cáspio, localizam-se mais de 65% das reservas de petróleo globais. Essa luta estende-se desde a África, na Nigéria e em Angola, até a América Latina, onde a Venezuela ocupa um lugar crucial com 20% das reservas mundiais de petróleo.

Embora o preço do petróleo esteja hoje muito baixo, também é verdade que a produção global de petróleo convencional está estagnada há quase uma década. O surgimento do petróleo de xisto betuminoso nos EUA expandiu o volume extraído; mas, trata-se de recursos limitados que em poucos anos – no início da próxima década – vão atingir seu pico e começar a declinar. Obviamente, o domínio das principais fontes de energia permitiriam aos EUA colocar um pé no pescoço da China e outro na Europa e fazer o jogo do gato e do rato com o concorrente russo, levantando e baixando os preços segundo a sua vontade. Mas os EUA não estão ganhando essa guerra: não puderam subjugar a Irã, grande exportador de energia, não puderam desestabilizar a Rússia, outro grande produtor, dando origem à convergência russo-chinesa, e até agora não conseguiram subjugar a Venezuela.

O que você acha que acontecerá com a China e a Rússia nas próximas décadas?

Tanto a China quanto a Rússia poderiam emergir como grandes potências, aproveitando-se do último grande boom da economia capitalista global. A Rússia como potência militar-energética e a China como potência industrial. Em ambos os casos, as exportações para os países ricos foram os motores da prosperidade. Mas, esta fase global está acabada. Os mercados desenvolvidos estão se comprimindo e os EUA – liderando a OTAN – perseguem essas nações emergentes. Tentam capturar grandes reservas de matérias-primas e quebrar o poder militar, no caso russo, e no caso chinês tentando escravizar a maior classe trabalhadora industrial do planeta – 250 milhões de trabalhadores – e subordinar tão temível concorrente financeiro e industrial, mas, também, tecnológico, e com cada vez maior capacidade militar. Liquidar a parceria estratégica russo-chinesa é o grande objetivo do Ocidente.

Mas, por outro lado, os capitalismos russo e chinês não estão fora da crise mundial; eles fazem parte da mesma, são afetados pela sua turbulência, suas contrações comerciais. Eles estão procurando se desapegar parcialmente do declínio global entrincheirando-se no espaço euroasiático. O projeto da Nova Rota da Seda, uma gigantesca rede de transporte marítimo e terrestre unindo os países da região, constitui-se em uma de suas maiores esperanças. O que mostra a realidade é que eles não podem escapar da desordem global. Apesar de essas duas nações terem encenado, no século 20, as duas maiores tentativas de superar o capitalismo. A inviabilidade histórica do nacionalismo burguês na era do capitalismo globalizado, ainda que se trate de grandes países, abre a possibilidade de se tentar novamente tomar o céu de assalto [ao analisar a Comuna de Paris (1871), Marx escreveu que os insurgentes, pela ousadia e determinação de seus objetivos e ações, teriam “tomado o céu de assalto” – NT]

Qual a sua opinião sobre o Chile? Vivemos a doutrina do choque imposta pela ditadura, pelo neoliberalismo selvagem, pelo extrativismo e endividamento, pela despolitização…

Acho que o Chile nunca foi capaz de superar a tragédia de 11 de setembro [de 1973, quando um golpe de Estado sangrento derrubou Salvador Allende]. A ditadura remodelou a sociedade chilena. Não é o único caso; também na Argentina, a ditadura militar instalada em 1976 produziu degradações culturais e estruturais que sobreviveram até hoje.

Depois de Pinochet, vocês se tornaram uma espécie de democracia limitada, comprimida pelo modelo neoliberal que pode ser instalado e jogado como parte de uma divisão (colonial) internacional do trabalho, de uma economia global hegemonizada pelos Estados Unidos, mas que agora está se deteriorando rapidamente. Caem os preços das matérias-primas sem perspectivas de recuperação significativa e duradoura, afetando decisivamente o modelo neoliberal chileno.

A burguesia chilena acreditava que aquele massacre pinochetista e suas extensões econômicas e culturais “democráticas” extirpariam completamente a memória histórica popular, bloqueariam para sempre o surgimento de alternativas antissistema. Essa é a a eterna ilusão dos contrarrevolucionários, sempre desmentida pela realidade. A América Latina está atualmente vivendo uma época de trevas, de investidas da direita; mas, também da decadência capitalista. O que então parecia impossível – as aspirações revolucionárias –, pode reaparecer. As latências [‘reações’ que estão latentes, veladas, reprimidas – NT], as memórias subterrâneas que se reproduzem invisivelmente podem convergir com novas formas de crítica teórica e luta prática até formar uma avalanche social. Tal possibilidade não deve ser descartada, mas bastante encorajada. A evolução da crise global e regional abre esta perspectiva”.