Banner Página Inicial

Espalhar

  • Privatização da ferrovias brasileiras
  • Capa publicar
  • Clube de autores

Quando o jornalismo vai à guerra

Escrito por master.

Supressão sumária dos fatos “incômodos”. Adesão acrítica às verdades de Estado. O Ocidente prepara um conflito contra a Rússia. A mídia soa o clarim

GuerraPor John Pilger | Tradução Inês Castilho | Imagem: Ed Hall /http://outraspalavras.net/

Um homem acusado do pior dos crimes – um suposto genocídio de repercussão global – foi julgado inocente, mas o fato não virou manchete. Nem a BBC, nem a CNN cobriram. The Guardian permitiu um breve comentário. O fato foi enterrado ou suprimido, compreensivelmente. Ele deixaria muito claro como os senhores do mundo governam.

O Tribunal Criminal Internacional para a Ex-Iugoslávia (ICTY, na sigla em inglês) absolveu o falecido presidente sérvio, Slobodan Milosevic, dos crimes de guerra cometidos durante a guerra com a Bósnia (1992-95), incluindo o massacre de Srebrenica.

Excesso de tecnologia na medicina prolonga sofrimento e desumaniza morte, diz escritora

Escrito por master.

VelhiceSam Mowe | The Sun Magazine | São Francisco

http://operamundi.uol.com.br/

Katy Butler, jornalista e ativista norte-americana, comenta como mortes dos pais a fizeram repensar atuação da medicina moderna no fim da vida: "perdemos a distinção entre salvar uma vida e prolongar uma morte".

Em 2001, o pai da jornalista Katy Butler sofreu um derrame, aos 79 anos. Um ano mais tarde, médicos e a família decidiram lhe implantar um marca-passo para manter seu coração funcionando, embora o aparelho não contribuísse com o tratamento de sua crescente demência. Em 2007, a mãe de Butler, exausta pelos cuidados com o marido e angustiada com seu sofrimento, pediu à filha que a ajudasse a desligar o marca-passo. Butler concordou e começou uma pesquisa sobre como a medicina moderna mudou a forma como lidamos com o fim da vida.

Racismo e Capitalismo - A Escravidão como base fundamental do Capitalismo

Escrito por master.

EscravidãoEduardo Pinho // http://esquerdadiario.com.br/

Por que não estudamos a história do Haiti? A importância de se estudar a história haitiana é nada mais que a importância de se resgatar nossa própria história, que sofre da alienação por um propósito bem específico, que é de retirar o conhecimento de nossas próprias forças.

“Eu não sou um homem e um irmão?”
“Eu não sou uma mulher e uma irmã?”

Campanha abolicionista britânica do final do século XVIII e início século XIX.

Gostaria de começar meu texto com um questionamento ao leitor: Por que não estudamos a história do Haiti? Ao leitor desavisado, fruto da educação nas escolas que enaltece a história “oficial” branca e das classes dominantes – que ainda hoje vigora mais do que nunca com o “Escola Sem Partido” - a minúscula porção de terra que faz divisa com a República Dominicana na América Central passa despercebia aos seus olhos, até mesmo dos que se interessam pela história do povo negro e das populações africanas.

Em busca da Internet perdida

Escrito por master.

TBLTim Berners-Lee, o criador da web, quer uma rede livre das megaempresas que controlam, capturam e vendem nossos dados vitais. Conheça o Solid, seu projeto de decentralização e autonomia radicais

Por David Weinberger*, no Digital Trends | Tradução: Gabriela Leite / http://outraspalavras.net/

Quando a World Wide Web decolou pela primeira vez, na metade dos anos 90, o sonho não era apenas grande, era distribuidor: todas as pessoas teriam sua própria homepage, todos iriam publicar seus pensamentos — isso não era chamado de “blog” até 1999 — e iriam ter posse de seus próprios dados, afinal ninguém estava oferecendo possuí-los por nós. A web consistia em nós, unidos por links, sem qualquer centro.

Alemanha torna gratuitas todas as universidades do país

Escrito por master.

Alemanhahttp://www.virandogringa.com.br/
Isso aí: toda as faculdades públicas dentro de território alemão são agora de graça. Não tem tuition fee.
 
Lembrando sempre que:
– ainda existem universidades particulares na Alemanha
 
– alunos sempre pagam taxas de administração, que podem variar de 150 a 300 euros por semestre. Mas é só.
Políticos alemães dizem que é injusto cobrar os jovens pela sua formação, afinal eles estão no começo da vida! E eles fazem isso para alfinetar Inglaterra e Estados Unidos, já que esses dois países criticam os alemães, mas cobram caríssimo por suas universidades.
 
Há menos de um ano que o “vizinho”, governo Britânico percebeu que a escalada da taxas escolares não chegaram a nada além de endividar os estudantes, a Alemanha já tinha decidido abolir as taxas de estudo de uma vez por todas, para todas as suas universidades. (Fonte)